sexta-feira, 25 de novembro de 2011

O que o sapo tem a ver com as drogas? E com a nossa mente?

Olaaaaaaa neuroboys! Demos início ao assunto drogas no último post e para delírio da nação continuaremos agora a nossa conversa sobre o tema no que diz respeito à duas drogas interessantíssimas de serem estudadas: 5-MeO-DMT(5-metoxi-dimetiltriptamina) Bufotenina. As duas drogas agem como agonistas de serotonina não seletivos. (fonte http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3028383/?tool=pubmed)


5-MeO-DMT

Bufotenina


Antes de começar a falar sobre as drogas diretamente nós temos que entender um pouco de como elas são metabolizadas no nosso organismo e para isso você tem que saber o caminho da droga no nosso corpo.

Uma droga quando é metabolizada pelo nosso organismo segue por uma ordem de reações, sendo, portanto, reações de fase 1 e reações de fase 2.

Reação de fase 1 ou de funcionalização: redução, oxidação ou hidrólise dos compostos; adição de grupos tiol, carboxil, amina e hidroxila. A reação de fase 1 prepara a droga para a fase seguinte, gerando compostos mais ou menos ativos. Dentre as três reações apresentadas tem destaque a oxidação, da qual participa o Sistema citocromo p450. O citocromo p450 é uma droga polimórfica e já foram caracterizados no ser humano 57 citocromos p450. O citocromo p450 por ser polifórmico necessita diferentes nomes para os diferentes tipo, sendo utilizada a sigla: CYP2D6 para designar o citocromo p450(CYP) pertencente a segunda família, sub-famfília D e para dizer que na ordem de transcrição deste gene o que codifica este tipo de citocromo é sexto a ser lido.

Drogas indutora da atividade de diferentes citocromos

Drogas inibidoras da atividade de diferentes citocromos

Decidimos falar dessas drogas quando começamos o nosso projeto, pois são drogas produzidas por animais e inclusive produzidas por nós, seres humanos, mesmo que em baixíssimas quantidades quando em pessoas ‘saudáveis’ em certos aspectos.

5-MeO-DMT e bufotenina são produzidas por sapos do gênero bufo, especialmente pelo nosso querido sapo cururu (Bufo marinus; Rhinela marina). O veneno destes anfíbios, conhecido como bufotoxina, é rico em diversas substâncias tóxicas e alucinógenas, podendo conter também serotonina. No nosso corpo são tidas como psicotoxinas endógenas e estão presentes em diversos fluidos corporais, como urina, fluido cerebroespinhal e sangue.

Metabolismo do 5-MeO-DMT

É importante dizer também, que quando produzido no nosso corpo, o 5-MeO-DMT provém da serotonina, neurotransmissor relacionado com diversos papeis na homeostase, inclusive no reconhecimento de certas doenças da mente. Baixos níveis de serotonina ou a degradação desta de forma muito rápida pela monoamino oxidase-A(MAO-A) na sinapse podem ser sinais de depressão por exemplo.

Veja a semelhança entre a estrutura da serotonina e das drogas apresentadas:

As duas drogas são metabolizadas sofrendo uma desaminação pela monoamino oxidase-A(MAO-A), enzima presente no sistema nervoso, hepatócitos, entre outros. No entanto, ambas geralmente são consumidas com uma droga inibidora desta enzima, a harmalina, que também causa alucinações, deste modo o usuário sofre de um triplo estímulo à alucinação. A transformação de 5-MeO-DMT é realizada por CYP2D6, a mesma enzima que degrada a harmalina. Outra consequência, além da maior intensidade das alucinações, de as drogas serem consumidas com harmalina, é que bloqueando a MAO-A a droga também aumenta a quantidade de serotonina nas sinapses, fazendo com que a serotonina se ligue repetidamente aos receptores. Um inibidor potente de MAO-A (IMAO) como a harmalina se consumido em altas quantidades pode levar a pessoa a um quadro de intoxicação por serotonina e até a morte. As sinapses ficam da seguinte maneira:

Em experimentos com dois tipos de citocromo p450 2D6 (citocromo 'humanizado': TD-CYP2D6 e citocromo selvagem: Wild-type) foi demonstrado que a harmalina não só inibe, mas que também possui uma capacidade inibitória compatível com o poder de degradação do citocromo no meio, ou seja, quanto maior a eficiência do citocromo, maior o poder inibitório da harmalina. O experimento sugere também que a harmalina, no mínimo, induz a ligação de serotonina aos receptores HT1A, que promovem um abaixamento da temperatura do corpo.

Esse gráfico retrata simplesmente a produção percentual de bufotenina em relação à quantidade de 5-MeO-DMT administrada. Mostra este dado com e sem a adiministração de bufotenina e evidencia a maior exposição do sujeito às drogas quando a harmalina também é administrada e quando não é:

Sobre o 5-MeO-DMT é muito interessante a hipótese de que esta droga, por ser alucinógena e endógena, pode ser a razão por que nós sonhamos. Fatos que reforçam esta ideia são que usuários da droga afirmam passar por projeção de pensamentos, e esta droga é produzida pela glândula pineal, fundamental no estabelecimento do sono. O que é o sonho senão uma projeção daquilo que estamos pensando enquanto dormimos?

As drogas(5-metoxi-dimetiltriptamina e bufotenina) também podem estar relacionadas com alguns distúrbios mentais como esquizofrenia e autismo em crianças. Alguns dados reforçam esta crença:

Pesquisa 1:

Doses elevadas de bufotenina foram encontradas na urina de:

Todos sujeitos avaliados que eram autistas com retardo mental e epiléticos (n=18).

32/47 pacientes autistas com retardo mental

15/18 pacientes com depressão.

13/15 sujeitos com esquizofrenia

apenas 2/200 pessoas tidas como 'normais' em relação a distúrbios mentais.

Não se sabe ao certo a relação dessas doses elevadas com os distúrbios da mente, no entanto, em autistas pôde ser verificada uma relação de que quanto maior era a concentração de bufotenina na urina, maior era o grau de hiperatividade do paciente com autismo.

Por hoje é só neuroboys. MUITO OBRIGADO E ESPERO TER AJUDADO!



fontes de pesquisa:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20150873

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20942780

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3028383/?tool=pubmed

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8747157

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21464174

http://jpet.aspetjournals.org/content/294/1/1.full

http://en.wikipedia.org/wiki/5-MeO-DMT

http://en.wikipedia.org/wiki/Bufotenin

http://www.fag.edu.br/professores/yjamal/Fisioterapia%20Farmacologia/Farmacocin%E9tica.pdf

7 comentários:

  1. Você deixou de abordar um ponto importante: a alta presença de DMT na urina dos doentes não significa que existam altas doses de DMT no cérebro.

    Qual é a prova de que tais pessoas não estejam, na verdade, perdendo grande quantidade de DMT pela urina? Qual é a prova de que elas tenham excesso e não falta de DMT nos tecidos, uma vez que apresentam excesso na urina?

    Excesso de DMT na urina não prova que as pessoas tenham excesso de DMT nos tecidos, inclusive os cerebrais, pois elas podem muito bem estar passando por algum processo através do qual estejam perdendo anormalmente esta substância e sofram, na verdade, de uma carência e não de um exagero desta substância.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ACREDITO INTEIRAMENTE NO ARTIGO.ACRESCENTO QUE O RACIOCÍNIO DO COMENTARISTA Ignorante de 17 de março de 2012 PECA POR ÊRRO DE LÓGICA DA PESQUISA CIENTÍFICA.E DA PRÁTICA PSIQUIÁTRICA.

      Excluir
  2. Alguma objeção à minha hipótese? Sou filósofo e não psiquiatra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A FILOSOFIA TEM COMO PRINCÍPIO O PRÓPRIO NOME = AMOR PELA SABEDORIA. E A SABEDORIA NECESSITA DE ACREDITAÇÃO DOS PROCESSOS DE PESQUISA CIENTÍFICA O QUE É CLARO, NÃO INCLUI A SABEDORIA DA PRÁTICA PSIQUIÁTRICA. E A PSIQUIATRIA É UMA PRÁTICA E NÃO UMA TEORIA OU UMA FILOSOFIA.

      Excluir
  3. A OBJEÇÃO FOI FEITA.ACRESCENTO QUE UM FILÓSOFO NÃO TEM CONDIÇÕES DE FAZER HIPÓTESES A UMA PRÁTICA DE PESQUISA CIENTÍFICA E MUITO MENOS DE PRÁTICA PSIQUIÁTRICA. OS PSIQUIATRAS LIDAM OBRIGATÓRIAMENTE COM MUITOS FILÓSOFOS LOUCOS.O QUE NÃO TEM IMPORTÂNCIA,NA VERDADE,POIS SER FILÓSOFO NÃO OBRIGA A SER PSIQUIÁTRICAMENTE SAUDÁVEL.

    ResponderExcluir
  4. QUERO ME DESCULPAR POR MINHAS OBSERVAÇÕES,TALVEZ MUITO SUCINTAS PARA ALGUÉM COMO UM FILÓSOFO DEDICADO A MUITOS SABERES.

    ResponderExcluir
  5. NOS 200 ANOS DA PSIQUIATRIA NOS ESTADOS UNIDOS, NÃO SE CUROU UMA ÚNICA PESSOA, DIZEM POR LÁ: "PSIQUIATRIA LA CIÊNCIA DE LA MUERTE". MÉDICOS SABEM MUITO É VENDER REMÉDIO. AQUI FALA A COMISSÃO DOS SETE SÁBIOS DE DELFOS.

    ResponderExcluir