terça-feira, 29 de novembro de 2011

CAFEÍNA

Olá Galera,
Hoje vamos falar sobre a cafeína e sua propriedade estimulante muito utilizada por estudantes em suas noites de estudo. Quando se está na faculdade ou no cursinho pré-vestibular é bem natural ter que passar algumas noites em claro estudando, e o café, a bebida que contém bastante cafeína, é sempre "aclamada" nessas horas.
A cafeína, também conhecida como 1,3,7-trimetilxantina, é a droga mais consumida no mundo inteiro e pode ser encontrada em refrigerantes, chás, e claro, no café. É considerado um alcalóide, ou seja, possui caráter básico e é encontrado principalmente em plantas.
Vamos agora para o que realmente importa, por que essa substância acaba com o sono? E como ela faz isso? Essas perguntas possuem uma linha de respostas bem complexas, contudo vou tentar explicar de uma maneira bem simples.
A 1,3,7-trimetilxantina é do grupo das xantinas, e essas substâncias possuem propriedades estimulantes.Legal!!! Mas como elas estimulam???
A cafeína ativa os receptores de rianodina, que são canais liberadores de íons de cálcio intracelulares. Essa liberação de cálcio levará a exitação dos neurônios, causando assim uma maior atividade neuronal.
Além disso ela bloqueia a enzima fosfodiesterase, responsável pela quebra do mensageiro adenosina monofosfato cíclico (AMPc) em adenosina monofosfato(AMP). Com esse bloqueio, e o acúmulo de AMPc leva a uma ativação das proteinas quinases, causando um predomínio da forma fosforilada das enzimas, que normalmente é a forma ativada. O acúmulo de AMPc estimula a lipólise, ou seja, mais energia desponível.
Ela também se liga aos receptores da adenosina. A adenosina diminui a atividade neural e dilata os vasos sanguíneos, com isso ela gera uma sensação de sonolência, além de agir como um neuromodulador que inibe a liberação de vários neurotransmissores como a acetilcolina. Ou seja, quando a cafeína ocupa o receptor da adenosina, ela impede a ação da adenosina sobre o sistema nervoso central. Por isso, a cafeína é considerada um antagonista da adenosina, assim a 1,3,7-trimetilxantina estimula o SNC e causa a constricção de vasos. Vários remédios para dor de cabeça, como a Aspirina, possui cafeína por causa dessa última propriedade citada, ao contrair os vasos sanguíneos consegue-se aliviar a dor de cabeça. Pode-se ressaltar também que essa xantina bloqueia a liberação do GABA, que é o principal neurotransmissor inibidor do Sistema nervoso central.
Com o aumento da atividade neural, o cérebro "pensa" que algum tipo de emergência está ocorrendo,então tenta preparar o corpo para a fuga ou para a luta, assim comanda a liberação de adrenalina, que causará taquicardia, aumento da pressão arterial e a dilatação brônquica. Cafeína é encontrada em alguns remédios para asmáticos por causa dessa propriedade broncodilatadora.
Desse mesmo modo, a cafeína induz uma elevação na concentração de dopamina(DA), que é um dos neurotransmissores responsáveis pela manutenção da vigília e por elevar a atividade motora. Justifica-se o caráter viciante da cafeína por causa desse neurotransmissor, que está ligado à sensação de satisfação e prazer.
A cafeína atua de maneira muito parecida às anfetaminas e à cocaína, porém de uma forma muito mais fraca. Quando a dopamina ou a noradrenalina(NA) são jogadas na fenda sinápticas, normalmente suas ações são terminadas com a recapitação dessas para o terminal do axônio, contudo a anfetamina bloqueia essa recaptação, permitindo que NA e DA permaneçam na fenda sináptica por mais tempo. Com a cafeína ocorre um mecanismo bem parecido, porém menos intenso.
Além disso tudo, ela estimula a produção de suco gástrico, por isso é bom quando as pessoas possuem o habito de tomar um "cafezinho" depois do almoço.
É isso tudo que acontece quando você toma café! Entretanto, você deve tomar cuidado, para não se tornar um dependente dessa bebida, muitas pessoas atualmente, alegam que não conseguem trabalhar, ou acordar sem a ajuda do café, e isso não é nem um pouco saudável.
Bom...por hoje é só!!!
Bibliografia:
htm
Livro: Neurociências - Desvendando o sistema nervodo, Mark F. bear, Barry W. Connors, Michael A. Paradiso (3ª edição) - editora artmed
Livro: Sono e saúde - Interlace com a psicologia e a neurologia de Rubens Reimão, Luiza elena L. Ribeiro do Valle, Eduardo L. ribeiro do Valle, Sueli Rossini
Livro: Serotonina e substâncias antitriptamínicas - Revião - contribuição experimental de Lauro Sollero ( Universidade do Brasil, Instituto de Biofísica)

Nenhum comentário:

Postar um comentário